Luh Duarte
Para cada coração confuso um flúmen de descobertas!
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato


Puberdade.

Então a minha adolescência chegou,
Não sei para onde vou...
Isso é o que chamam de puberdade?
12 anos, deve ser essa a idade.
Quanta coisa passa na minha moleira,
Como água em volta da chaleira,
Aqui, eu fico martelando a cabeça,
Será que tem algo que eu não conheça?
As pessoas Criam rótulos de tudo,
Meus amigos dizem que nessa idade tem que topar tudo.
Mas, rótulos não são meramente para produtos?
Há, esses adultos!
Tudo complica quando sua característica é Autista,
Piora quando a sua alimentação é celetista,
Então, não aparecem os convites de festas,
Porque as pessoas são egoístas.
Eu, não mordo,
Se a mim torrarem o juízo,
Sendo assim o ato eu realizo.
O meu aspecto autista não é contagioso,
Você deve parar de ser malicioso.
Eu, não chuto,
Enfim, se o meu mundo invadir,
Isso se tornará meu atributo.
Eu, assim como você temos direito no amor,
Isso, melhora o meu senso de humor.
Mesmo sendo uma pessoas madura, adolescente ou criança,
A minha melhora e cura ainda existe esperança.
A mocidade me atingiu,
O meu eu com a vontade de ser melhor emergiu.
Sei que no meu caminhar terá desilusões,
Mais sei também que tem inclusões.
As situações agora estão diferente,
Mas a vida se encarrega de ser coerente.
Aqui termino o meu poema, dizendo:
Não gosto de nada agridoce,
Mas, saboreio um bom algodão-doce.

 
Luh Duarte
Enviado por Luh Duarte em 31/03/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários